Notas baixas no boletim! E agora?

Postado em 21/01/2018

Notas baixas no boletim! E agora?

O boletim do seu filho chegou. E tem nota vermelha na parada. Antes de ter uma síncope e sair esbravejando, pare para entender o motivo. Notas vermelhas, ou abaixo da média, nada mais são do que o resultado de um processo. Por isso, é importante, durante todo o bimestre, acompanhar o estudo das crianças em casa e marcar presença nas reuniões com professores. Além de evitar as notas baixas, isso lhe ajudará, também, a identificar onde (você e) seu filho podem melhorar para que o boletim do próximo bimestre não surpreenda mais ninguém!

E como entender o que deu errado? O primeiro passo é ouvir a justificativa de seu filho. "Geralmente, as crianças sabem direitinho onde falharam", diz Edson D¿Addil, orientador educacional do Colégio Vértice, em São Paulo. Em seguida, é indispensável procurar as pessoas que o acompanham no ambiente escolar: a professora, a orientadora pedagógica ou a coordenadora da série dele para ver se ele não está passando por mudanças ou dificuldades no ambiente escolar. "Um boletim cheio de notas baixas pode não significar, necessariamente, descaso do aluno", analisa Maria Angélica Durães Mendes de Almeida, diretora e coordenadora pedagógica do Colégio Hugo Sarmento.

Por último, é preciso mudar algumas atitudes em casa, para estimular seu filho a superar as dificuldades que ele encontrou. Por exemplo, se ele sempre foi um bom aluno e as notas baixaram repentinamente em várias matérias, é possível que sua autoestima esteja abalada ou que ele esteja passando por conflitos no ambiente escolar, com os colegas. Aí, é importante manter em casa um diálogo mais aberto e livre de julgamentos.

Agora, se ele for indiferente apenas a uma matéria ou outra, procure um reforço escolar ou aulas particulares. Quando o problema é pontual, fica muito mais fácil resolver. Além disso, você também terá de fiscalizar os estudos de seu filho e conferir se as tarefas de casa realmente estão sendo feitas. "A questão é saber organizar o tempo e priorizar os estudos, mas sem tirar o tempo de lazer da criança", aponta Marta Campos, coordenadora do Ensino Fundamental e Médio da Escola Viva.

Mais uma coisa você precisa ter em mente: a nota baixa é uma bomba também para o seu filho. "Ela mexe com a autoestima da criança, pois desestimula e mostra fracasso", pontua a coordenadora de departamento de orientação educacional do colégio Bandeirantes, Vela Malato. E, cá entre nós, ninguém gosta de se sentir assim.

 

Outras Notícias

 

De volta às aulas
Postado em 18/02/2018

sobre lista de material, uniforme, lanche... e 'zumbis'

A mãe não conseguiu fazer as crianças dormirem mais cedo. Foi uma batalha inglória que durou quase uma semana. Resultado: no primeiro dia de aula, lá estava a mãe arrastando do...
leia mais »

Os primeiros sinais do autismo
Postado em 11/02/2018

Receber o diagnóstico de autismo de um filho é como embarcar rumo a um universo desconhecido. É preciso encontrar a maneira de aterrissar nesse pequeno mundo em que a criança parece estar isolada. A doença, uma espécie de pane do desenvolvimento neurol&oa...
leia mais »

Como defender seu filho dos abusos na internet
Postado em 04/02/2018

Os abusos são frequentes, mas estão sob a mira das leis brasileiras. Saiba como é possível se defender das violências cometidas na internet

Basta um click para ferir quem está conectado à internet, tanto faz a ...
leia mais »